quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Como Me Tornei Um Chato de Galocha Sem Perceber

                    Não sei se só eu percebo isso, mas vejo que muitas pessoas na tentativa de serem "as diferentonas" acabam por serem iguais. Quase todos são assim. Os hipsters, as minas que curtem só música estrangeira e filme estrangeiro e assim por diante...
                    E nisso eu acabei tentando naturalmente (sem fazer esforço algum) não ser igual a ninguém: não consegui e ainda ganhei inimigos. Eu já quis ser rico, não sendo, já quis ser bonito, não sendo, já quis ser forte, não sendo, já quis ser várias coisas não sendo nenhuma delas (quando digo "quis ser" é que eu já quis que as pessoas achassem que eu fosse). Me arrependo muito disso não só pelos inimigos que tenho espalhados por aí (porque se alguém já conversou comigo e hoje não conversa mais é porque não gosta de mim, logo é inimigo), mas também pelo peso psicológico que isso  me traz até  hoje.  Não sei se foi por  causa  da  bebida ou se é  algo da minha natureza, mas já fiz coisas que nem são tão pesadas assim mas que minha mente encara como o fim do mundo. Pra ter-se uma ideia acho que a mais pesada delas foi ter mentido sobre quem eu era, ou é pelo menos a que mais me tortura.
                    Cada olhar estranho voltado à mim que vejo em uma festa ou na rua me dá um receio. Fico com uma aflição só de pensar que aquela pessoa que me odeia vai comentar com uma outra que nem me conhece ou que é neutra e a partir daí essa que mal sabe quem eu sou vai me odiar também só porque ouviu algo de mim.
                    Esses dias meu pai me disse: "filho, quando uma pessoa vem e te fala algo pesado ou que te magoe na sua cara é que mil já falaram nas suas costas!" Como umas mil já falaram algo na minha cara, pela matemática de proporção... 1 milhão? Não, não, não e não. Melhor deixar pra lá toda essa baboseira que não vai servir nem para as pessoas perderem 5 minutos de leitura, e até porque digitar com um uísque (fraquíssimo) na cabeça não é viável.


Até acho que foi isso (uísque) que me fez querer abrir 0,000005% de minhas mágoas aqui. Continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário